Invent


Viaduc des Arts- (O Viaduto das Artes)- La Promenade Plantée (La Coulée Verte)- as lojas e os cafés

Atrás da Ópera Bastille se encontra o Viaduc des Arts, a vitrine do artesanato francês. Trata-se de um viaduto longo de mais de 1 km que foi inteiramente reabilitado. Este viaduto foi construído para receber os trilhos que conduziam os trens à antiga estação ferroviária que existia no lugar da Ópera. A estação foi destruida mas o viaduto ficou como lembrança desta época. A sua reabilitação consistiu na criação de uma longo jardim na parte de cima, no lugar dos trilhos, jardim este que se chama La Coulée Verte e na construção de lojas na parte de baixo, aproveitando os antigos arcos. Estes lojas foram ocupadas pelos grandes mestres do artesanato francês.

Les anciennes d’un chemin fer qui reliait la Bastille au Bois de Vincennes ont été reverdies : vous y trouverez la promenade plantée, ponctuée de différents jardinsLe viaduc , quant à lui a été investi par des artisans d’art. 71 arcades accueillent désormais les ateliers et espace de vente d’artisans d’art sur 1,5 Km. 
Métros : Gare de Lyon, Bastille ou Reuilly Diderot

São 51 artistas de áreas diversas como restauração de obras antigas,  fabricantes de móveis em madeira, de violão e violino, de maçanetas em bronze, estilistas de costumes de espetáculos, joalheiros, escultores, fabricantes de bonecas e marionetes, algumas galerias de arte, chapeleiros, molduras de arte, fabricantes de lustres e luminárias…

De Bastille à la mairie du 12e, chaque arc de ce viaduc abrite un atelier d’art ou des boutiques, juste sous la Promenade Plantée

 

Informações: http://www.leviaducdesarts.com/

Le Viaduc des Arts, s’illumine 
Depuis décembre 2009, le viaduc se dote d’un nouveau système d’éclairage des voûtes extérieures. Grâce au concours de la mairie de Paris et de la SEMAEST, l’association a investi dans un système d’éclairage à base d’ampoules à LED. Cette opération de mise en valeur a pour but de transformer la vision nocturne des voûtes, grâce notamment à un changement continu des couleurs, donnant une résonnance lumineuse à l’édifice.

 

Como chegar: de metrô descer na estação Bastille e pegar a rue de Lyon do lado direito da Ópera. Logo em seguida à esquerda começa a avenida Dausmenil e o Viaduc des Arts. Entre as lojas  dois bons cafés !!!

Viaduc Café:

http://www.leviaduc-cafe.com/

 

 

L’Arrosoir est un grand café-restaurant situé sous le Viaduc des Arts à l’intersection entre le boulevard Diderot et l’avenue Daumesnil, dans le 12è, à deux pas de Bastille, sous la Promenade Plantée.

De l’extérieur, impossible de louper sa très grande terrasse donnant sur l’avenue Daumesnil . La déco intérieure est elle aussi très réussie avec les voutes du viaduc en pierre en guise de plafond et un bon plancher, de jolies tables bref beaucoup de style et de classe pour l’habillage.

Coté accueil et service, c’est très honorable puisque même si un peu débordé aux heures de pointe, le tout reste souriant et sympathique.

Coté carte, la formule brunch nous propose pour la « modique » somme de 23€, une boisson chaude, un jus d’orange pressé, des tartines de beurre et confiture, un gâteau maison (en l’occurence, un brownie) ainsi qu’une assiette salée composée de bacon grillé, d’une tranche de pain de campagne toasté, de fromage, d’oeufs brouillés, de pleurotes, pommes rissolées, pommes et mesclun de salade !

On termine sur un gaspacho de fruits frais, très agréable quand il fait un peu chaud ! Certes, la qualité de ce brunch ne déplace pas des montagnes de gastronomie mais ça reste tout de même très correct pour le prix.

Um pouco de história:

Em 1853, um terminal de transportes ferroviário foi construído na praça Bastille em Paris. Um viaduto permitia o acesso dos trens a este terminal. Um século mais tarde, o transporte ferroviáriol foi desativado nesta região e o viaduto foi se deteriorando devagar.

Quando foi aprovada a construção de uma ópera no lugar desta antiga  estação ferroviária,  a prefeitura de Paris pensou em destruir o viaduto. Mas um outra proposta saiu vitoriosa. A  transformação deste testemunho do passado industrial da cidade em jardim, com um percurso de 4,5 km.

La promenade plantée traverse tout le 12e arrondissement de Paris dans sa longueur (4,5 km). Elle emprunte le trajet d’une ancienne voie ferrée dont le trafic a cessé en 1969. La gare terminus était à la Bastille à l’emplacement actuel de l’opéra, les trains allaient jusqu’à Boissy-Saint-Léger là où il y a maintenant le RER .

La promenade plantée démarre derrière l’opéra Bastille. Elle surplombe l’avenue Daumesnil jusqu’au jardin de Reuilly : c’est le fameux Viaduc des Arts.

Bonne promenade !!!

No alto do viaduto, no lugar dos trilhos, foi construído este jardim.

 

E os espaços sob o viaduto foram também restaurados,

e ocupados por atividades ligadas ao artesanato.

Aí estão instalados designers de móveis, restauradores de quadros, de papéis e de tecidos, joalheiros, estilistas, professionais na área de molduras para quadros e a lista é longa.

Veja que programa gostoso: uma caminhada dinâmica no jardim no alto do viaduto, um café em um dos restaurantes instalados sob os arcos e um passeio pelo artesanato francês.

Le viaduc des Arts, par-dessus dessous

Pour partir à la découverte de l’Est parisien, rien de tel que de prendre de la hauteur ! La « promenade plantée », autrement connue sous le nom de Coulée verte , traverse tout le XIIe arrondissement de la capitale en empruntant le tracé d’une voie ferrée datant du Second Empire.

La balade commence au-dessus du Viaduc des Arts, à l’angle des avenues Daumesnil et Ledru-Rollin. Vous pourrez flâner au milieu des noisetiers, des saules, des cerisiers en fleurs et des bouquets de roses.

Au coeur de cette végétation touffue, profitez de la perspective sur les rues en contrebas. A près de sept mètres au-dessus des voitures, vous oublierez bien vite la rumeur de la ville. 

Sous la promenade, les voûtes du viaduc des Arts accueillent des ateliers d’artisans d’art. Découvrez notamment la Galerie VIA qui valorise et promeut la création contemporaine dans le secteur du design appliqué au cadre de vie (luminaires, mobilier, accessoires de décoration, etc).

Envie de bruncher ? Rendez-vous au Café Jardin l’Arrosoir. Avec son décor champêtre, sa grande terrasse et sa mezzanine chaleureuse pour les jours plus frais, c’est l’endroit rêvé pour une pause repas. Non loin, le Viaduc Café est également doté d’une belle terrasse et d’une carte alléchante.

 

Read more...


Minhas Praças especiais em Paris….

Me pediram para escolher as praças que eu mais gosto em Paris….tarefa difícil, pois são muitas e cada uma delas tem um charme especial !!!

Então escolhi uma praça para viver, uma praça para comer e uma praça para compras...

Quando vivi em Paris, morava no coração de Saint Germain, perto da mágica Place Fustenberg, e esta praçinha sempre terá um lugar especial no meu coração. Com certeza moraria nela e seria muito feliz…

Minúscula, perfeitamente situada, ela passa uma sensação de calma,  de tranquilidade, de paz…

 

Cette petite place de Paris pourrait être plus jolie si la Mairie n’avait pas retiré le banc sur lequel logés plusieurs sans-abris… Les clochards ne font-ils pas bon ménage avec les couples d’amoureux qui s’y promènent?
En tout cas, la place est triste maintenant car souvent déserte… On n’y fait que passer. Dommage car on s’y sent bien à l’abri du bruit des voitures. Tout le charme réside dans le lampadaire, planté en plein milieu. La nuit tombée, allez embrasser votre Jules sur cette jolie place …

Minha praça favorita para comer??

É claro que tem muitos pequenos bistros e restaurantes em Paris, eu acho que poderia fornecer uma longa lista.

Mas o meu almoço mais lembrado, foi com um grande amigo do Banco Francês de Comércio Exterior, quando eu estava de férias em Paris no LaMéditerranée , cenário fantástico, comida divina , romântico, elegante , eu adoro!

La Mediterranée | 2, Place de l’Odéon 75006 PARIS | Tél :33 (0)1 43 26 02 30

http://www.la-mediterranee.com/

E finalmente uma praça especial para comprar…. arranjos, echarpes, flores secas, guarda-chuvas diferentes, que dão cor a qualquer dia chuvoso …

Flores Rosemarie Schulz
Uma loja incrível na Galerie de la Madeleine, cheia de charme, em que flores forram bustos, arranjos, pratos, echarpes, toalhas, papéis, cartões e jogos americanos.
O aroma das rosas, mesmo secas, é maravilhoso!
9, place de la Madeleine- 75008
Tel: 01 40 17 06 61
Metro Concorde
www.rosemarie-schulz.fr

 

 

 

 

 

Read more...


Place de Furstenberg – e o Musée Delacroix

A place de Furstenberg   é reconhecida por ser uma das mais charmosas praças de Paris. 

Discrète, pleine de charme, la place de Fürstenberg est sans doute la place la plus romantique de Paris et cela particulièrement à la nuit tombée,  lorsque le petit lampadaire du terre-plein central s’allume.  A l’écart du faste du boulevard Saint Germain et du café de Flore (qui honnêtement n’a plus rien d’exceptionnel), vous retrouverez les petites rues pleines de charme qui donnent envie de se promener le nez en l’air et la veste sur l’épaule

 Eugène Delacroix escolheu para sua moradia de  1857 até a sua morte em  13  de agosto  de 1863 , por ser próxima da igreja Saint-Sulpice , pois ele tinha sido encarregado, desde 1847, de decorar uma capela.

Abandonnant la rue Notre-Dame-de-Lorette, Delacroix s’est installé rue de Fürstenberg le 28 décembre 1857 pour se rapprocher de l’église Saint-Sulpice dont il avait été chargé, dès 1847, de décorer une chapelle, aujourd’hui chapelle des Saints-Anges. Sérieusement malade, l’artiste souhaitait finir son oeuvre.

A praça se encontra no  6éme arrondissement de Paris no quartier  de Saint-Germain-des-Prés. Vizinha da Abadia, ela recebe o nome do  cardinal  Guillaume-Egon de Furstenberg (1629-1704)   nomeado abade de Saint-Germain-des-Prés em 1697.

Retrato de Guillaume-Egon de Furstenberg 

Na praça Furstenberg, o Musée Delacroix ocupa uma parte do apartamento, onde o artista acaba seus dias, e também seu atelier que se abre sobre um jardim privativo.

” Mon logement est décidément charmant….Réveillé le lendemain en voyant le soleil le plus gracieux sur les maisons qui sont en face de ma fenêtre. La vue de mon petit jardin et l’aspect riant de mon atelier me causent toujours un sentiment de plaisir “[Eugène Delacroix, Journal, 28 décembre 1857]

 

O atelier de Delacroix visto do jardim.

Et puis il y a, comme un rituel, la descente dans le jardin qui offre une si belle vue sur la verrière du grand atelier. Les oiseaux y sont multiples dans ce bouquet d’arbre et de silence. Ce sont eux qui font la fête, et s’attarder sur un banc y est un délice offert en plein Paris

 

Musée Delacroix

6 Rue de Furstenberg  75006 Paris, França
01 44 41 86 50

Este museu tornou-se museu nacional em 1971, quando o Governo francês reconheceu a importância do mesmo.

Atelier, museu, moradia,seu último refúgio e local de trabalho, hoje abriga seus quadros de menor formato, desenhos e objetos pessoais. Escondido do lado esquerdo do Sena, mostra um pintor que não se vê nos seus quadros gigantescos dispostos no Louvre.

L’oeuvre emblématique de Delacroix : « la liberté guidant le peuple » au musée du louvre.

A barca de Dante, de Eugène Delacroix, óleo sobre tela, 189 x 242 cm, 1822, Museu do Louvre, Paris

La chambre de Delacroix.

Une partie du mobilier de Delacroix avait été dispersée à sa mort, cependant, grâce aux descriptions données par l’inventaire posthume, l’acquisition de quelques meubles a pu être faite.

Mais ce sont surtout ses oeuvres, peintures, pastels, dessins, lithographies, ainsi que lettres, et divers souvenirs, qui nous permettent de découvrir l’intimité de l’artiste.

” Le Christ au jardin des Oliviers ” Huile sur toile (vers 1823-1824)

” Bouquet de fleurs ” Aquarelle, gouache, pastel (1849)

” Portrait de Jenny Le Guillou ” Huile sur toile vers 1840

Ce portrait se trouve dans la chambre à coucher où Delacroix est mort le 13 août 1863, Jenny Le Guillou, était sa fidèle gouvernante qui l’accompagna jusqu’à la fin de sa vie.

Vue de l’atelier

Como chegar?

É possível chegar de

Metrô: Linha 4 – Parada: Saint-Germain-des-Prés ou Linha 10 – Parada: Mabillon
Ônibus: 39, 63, 70, 86, 95, 96

Quando ir?
O museu apenas fecha na terça-feira, nos demais dias abre das 09:30 às 17:00 horas. Nos sábados e domingos dos meses de junho a agosto, fica aberto até às 17:30.

Quanto custa?
A entrada custa 5€, mas aceita o Paris Museum Card.

Quais serviços oferece?
O único serviço que o museu oferece é uma lojinha, onde se pode adquirir por 7,50€ um guia do museu (francês e inglês). Não se oferece audio-guia. Para quem não conhece o pintor, ou  não tem muito interesse, a visita pode ser bem sem graça. Por quê? Falta interpretação, ou seja, meios que te ajudem a compreender o que está vendo! Por isso, antes de visitá-lo, a melhor dica que posso dar é: informar-se!!!

Relaxe,você pode ” flâner” pelo museu, e se pintar uma vontade compre seu cartão-postal na lojinha e na volta pesquise sobre ele. Pense que naquela casa viveu e trabalhou uma dos maiores artistas do século XIX.

Pode fotografar?
Nadinha de nada!

Site: http://www.musee-delacroix.fr/
Endereço: 6 rue de Furstenberg – 75 006 Paris
Telefone: 00 33 (0)1 44 41 86 50

É igualmente no número 6 de la place Furstenberg , no andar superior do apartamento  de  Delacroix, que se encontrava até janeiro de 1866, o atelier de Claude Monet e de Frédéric Bazille. Foi neste atelier, representado por Bazille,  que Monet pintou seu célebre ” déjeuner sur l’herbe”

L’Atelier de la rue Furstenberg de Claude Monet et Frédéric Bazille..

 Foi neste atelier que  Claude Monet pintou ” Le déjeuner sur l’herbe “

Place Furstenberg, vue de l’atelier de Delacroix”

lithographie originale d’André Renoux
© Galerie Roussard, Paris, 18ème D.R.

La rue de Fürstenberg. (Au font le Palais abbatial). (© Photo : Serge Jodra, 2010).

Na praça ( por muitos considerada uma ” placette”  ) estão plantadas 4 ” paulownias”, uma arvore ornamental originária da China e da Coréia

  estas arvores, na primavera, lhe conferem um aspecto particularmente romantico…

 

“L’on dit que cette placette serait l’endroit idéal pour y donner ses rendez-vous galants :  l’on y connaitrait  que des bonnes fortunes!!!.”

que se acentua com a iluminação noturna de um “lampadaire à cinq globes.”

L’Atelier de Delacroix, devenu un musée, la galerie de Serge Aboukrat, les  et ses quatre paulownias qui, au printemps, lui confèrent un romantisme fou : la place Furstenberg, avant de devenir le rendez-vous palais abbatial de Saint-Germain-des-prés. Aujourd’hui son décor de carte postale et son calme apparent en font toujours un lieu à part, hors du temps.

No filme ” A Época da Inocência”


Ele se passa na Place de Furstemberg, que eu adoro. A pracinha está igual até hoje, como já disse, é um charme só.

Tem uma tela do David Hockney sobre essa praça que é o máximo.


Para quem não conhece sugiro uma visita após o Flore ou a igreja St Germain, no caminho para o Sena via rue Bonaparte etc.

C’est la plus petite place de Paris, un pas en arrière et… ben y a pas de pas en arrière, t’es dos au mur.

Hoje encontramos várias galerias

 

Aujourd’hui, outre le toujours présent Musée Delacroix, qui fut anciennement son atelier, la Place de Furstenberg, partie enflée de la rue, abrite plusieurs galeries et ne décevra pas le promeneur curieux.

Encontra-se também nesta praça a loja Flammant, não deixem de conhecer!

Flamant
8 Place Furstenberg, 8 Rue de l’abbaye -75006 Paris

http://www.flamant.com

Le plus étonnant est probablement de rentrer dans la boutique Flamant de Saint-Germain-des-prés par la rue de l’Abbaye.
Ce n’est pas le ministère de la Magie, mais il s’y passe tout de même de drôles de choses…

Après avoir traversé la vitrine austère de la ruelle, on découvre soudain… de l’espace ! Nous ne sommes pas dans un magasin au rez de chaussée d’un immeuble quelconque, mais au milieu du salon d’amis particulièrement fortunés chez qui nous serions allés passer quelques jours en province :

Traversez le salon, cherchez les heureux propriétaires dans l’une des autres pièces de ce labyrinthe pour nous pauvres parisiens habitués aux appartements miniatures. Une chambre, la vôtre espérez-vous en ouvrant la porte de l’adorable « petite » salle de bain attenante…

La visite de la maison de famille se poursuit ainsi de la cuisine au bureau, à la chambre des enfants, en passant par le salon et la bibliothèque.

Tout y est beau et charmant.

Un petit moment de détente sur une méridienne au cuir patiné…

Alors que je m’apprête à demander à la maîtresse de maison où elle a déniché cette merveille de confort, je découvre une petite étiquette accrochée négligemment au pied de la lampe, sur le guéridon.
Nous sommes bien dans une boutique et tout est à vendre, même la peinture des murs !
Déception et joie mêlées de ce retour à la réalité annoncé par une douce phrase d’un autre invité (pensiez-vous jusque là…) : « Je peux vous aider ? »
Effectivement, aidez-moi à ne pas craquer et revendre toutes mes robes couture pour m’offrir ce magnifique vaisselier gris qui n’entrera jamais dans ma cuisine, probablement d’ailleurs pas non plus dans la cage d’escalier de mon immeuble qui est lui… normal !

Un dernier coup d’œil en guise d’adieu à la méridienne que je (ne) reviendrai (pas) chercher un jour prochain, et on ressort par l’entrée fleurie (oui vous pouvez acheter une brassée de fleurs fraîches aussi), avec un soupir de regret… qui s’évanouit brusquement et laisse la place au sourire lorsque l’on réalise que cette sortie est de l’autre côté de l’immeuble et qu’au lieu de la rue attendue, on se retrouve sur la charmante place Furstenberg :

 

 

Read more...


Chocolateria em Paris

Quem nunca se deliciou com uma barra de chocolate que levante a mão!

Pois é, tenho certeza que todos nós um dia, pelo menos na vida, se rendeu à esta fantástica  invenção.

Acredito também, que a grande maioria de vocês não sabia que deveriamos agradecer os franceses por tal criação.

Foi Sulpice Debauve que realizou a 1a mistura da tal substância dando origem, assim, ao Thérébrome  (1° chocolate frio da história da confeitaria do chocolate).

Debauve & Gallais eram farmaceuticos que passaram a vender chocolate como produto terapeutico para tosse, indigestão e outras doenças. Eles criaram o chocolate ao leite para as mulheres, crianças e pessoas de constituição frágil, como revigorante digestivo.

A loja do século 19, foi fornecedora dos reis da França e continua vendendo até hoje chocolates de alta qualidade (em seus produtos encontramos pouquissimo açucar e nenhum corante ou conservador alimentar.

30, Rue des Saints-Pères – Paris VII arrondissement

Metro : Saint germain ou Sèvre-Babylone

De 2f à Sábado das 9h30 as 19hs

www.debauve-et-gallais.com

Vou dar uma pequena amostra das 5 melhores chocolaterias de Paris, onde se  encontra o melhor do chocolate .

Deliciem-se!!!

Un Dimanche à Paris

 

O espaço foi pensado para traduzir tudo o que é relacionado ao chocolate.

Boutique, bar a chocolat, restaurante, salão de chocolate loung .

Horaires d’ouverture :

La Boutique :11h à 20h du mardi au samedi et 11h à 19h le dimanche.

Le Restaurant : 12h-14h30 et 19h-22h30 du mardi au samedi – fermé le dimanche soir.
Le Salon de chocolat : du mardi au dimanche de 15h à 18h.
Le Chocolate lounge : du mardi au samedi de 16h à minuit.
La Grande cuisine sur réservation.

Un Dimanche à Paris
4-6-8, Cour du Commerce Saint André Paris 6ème
Saint-Germain-des-Prés –  Metro Odéon
Tél : 01 56 81 18 18

www.un-dimanche-a-paris.com

restaurant: une cuisine créatif inspirée de l’épice cacao

salon chocolat: succomber à la tentation d’un chocolat chaud…

Pierre Hermé

Atrai pessoas ao seu atelier como as flores às abelhas…

Sua linha traz versões ao leite, praliné,amargo e ainda tabletes com cacau de diferentes origens, enquanto os bombons desafiam a sua escolha…

Pierre Hermé , lojas de doces incríveis em Paris , informou que além da trufa tradicional de chocolate amargo coberto com chocolate em pó a Instense agora existem duas novas variedades: Mogador, recheio de maracujá coberto com chocolate ao leite e a Pietra, praliné de avelã derretida e crocante, chocolate e coberto com chocolate em pó.

Fica dica para os apaixonados por trufas e para próxima visita à Paris

Endereços em Paris
72 rue Bonaparte 75006 Paris
185 rue de Vaugirard 75015 Paris
 
Outros endereços onde só encontramos chocolates e macarons
4 rue Cambon 75001 Paris
58 avenue Paul Doumer 75016 Paris
39 avenue de l’Opéra 75002 Paris
 

Jacques Génin

É um dos magos do chocolate, trabalha apenas com cacau das melhores procedências, combinados em ganaches naturais ou aromatizadas a partir de plantas ou especiarias.

Jacques Genin  inaugurou sua loja no coração do Marais. Ele faz parte da lista dos melhores chocolateiros de Paris e seu millefeuille de chocolate é uma pura maravilha. Esta loja está perto do Museu Picasso. Completem os prazeres estéticos com prazeres gourmands após a visita das obras do maior pintor do século XX.

133, rue de Turenne

75003 Paris

Horaires
du mardi au dimanche (atenção, fechado as segundas!!!)
de 11h à 19h et jusqu’à 20h le samedi.
Tél +33(0)1 45 77 29 01

Gosto da loja,  da decoração, dos arranjos de flores.

E quem não fica em estado de êxtase com o millefeuille acompanhado por um café?

Lembrete: os millefeuilles não ficam expostos, como em todos os lugares. São montados sob medida, a única maneira de impedir que o recheio cremoso “quebre” o crocante da massa.

Jean Paul Hévin

Produz chocolates mais concentrados, amargos, frutados ou condimentados.

Seu menu de chocolates abrange um bom número de itens, entre os quais tabletes, paletes e bombons.

Com 4 endereços em Paris e lojas em Tóquio e Hong Kong.

Boutique rue Saint Honoré

231, rue Saint-Honoré 75001 Paris

Tél : +33 (0)1 55 35 35 96
Fax : +33 (0)1 55 35 35 97

M° Concorde, Tuileries, Opéra.

Chocolate Bar

Le Chocolate Bar est au 1er étage au dessus de la boutique.Possibilité de se connecter à Internet en Wi-Fi.

  • Déjeuner : de 12h à 14h30.
  • Ouverture :
    du lundi au samedi de 12h à 19h
  • Fermeture :
    dimanche et jours fériés
  • CB acceptées : Visa, Mastercard, JCB, American Express

Boutique avenue de la Motte-Picquet

23 bis, avenue de la Motte-Picquet
75007 Paris
Tél : +33 (0)1 45 51 77 48
Fax : +33 (0)1 41 56 97 44

  • M° Ecole Militaire

Boutique rue Vavin

3, rue Vavin 75006 Paris
Tél : +33 (0)1 43 54 09 85
Fax : +33 (0)1 40 46 97 51

  • M° Notre-Dame des Champs, Vavin.

www.jphevin.com

Jean-Paul Hévin resolveu unir a paixão das mulheres por sapatos e chocolates. Assim nasceu a coleção Stiletto Shoe, com uma verdadeira escultura em forma de sapato de salto alto, feita inteiramente de chocolate.

Entre o corpo e o salto de 10 cm são usados 160 gramas de chocolate para compor o stiletto, encomendado inicialmente pela revista de moda de mesmo nome para homenagear a marca de sapatos Rodolphe Menudier.

Para personalizar sua criação, Hévin acrescentou uma pequena caveira branca – que faz as vezes de marca registrada da doceria – na base do longo salto.

Os sapatos, fabricados apenas no tamanho 35, podem ser encontrados nas cores marrom, vermelho, branco e verde (variando entre chocolate preto e branco) e são vendidos por 56 euros.

La Maison du Chocolat

É uma das referências de chocolate em Paris.

Fundada nos anos 50, é um grande centro de formação de chefes e possui um laboratório de invenções em torno do chocolate.

Com lojas em Paris, Nova York e Tóquio.

www.lamaisonduchocolat.com/fr

Paris

 

 

Read more...


Musée de Cluny -Museu Nacional da Idade Média

O museu de Cluny ou Museu Nacional da Idade Média situa-se no 5eme arrondissement de Paris, no centro do Quartier Latin.

6 place Paul Painlevé

Como chegar?
Está bem ao lado da Sorbonne. Nas proximidades há uma excelente oferta de restaurantes com menus do dia, a preço mais camaradas.

Metrô: Linha 10- parada: Cluny-La Sorbonne ou Odéon / Linha 4 –parada: Saint-Michel.
Ônibus: 21 – 27 – 38 – 63 – 85 – 86 – 87
RER: linha C – parada: Saint-Michel / linha B – parada: Cluny – La Sorbonne

Quando ir?
Abre das 09:15 às 17:45 horas, fecha na terça-feira. Não tem nem de perto a afluência dos museus estrela de Paris, como o Louvre, D´Orsay, Rodin e Picasso.

Quanto custa?
A entrada do museu custa 8,50€. Menores de 18 anos não pagam. Os menores de 26 anos, pagam 6,50€. É gratuito para os menores de 26 anos nacionais de qualquer dos países da União Européia e para todo o público no primeiro domingo de cada mês.

O Museu de Cluny forma parte da rede do Paris Museum Card.

Planejando sua visita:

Não saia de casa antes de baixar o aplicativo do Museu do Cluny para Iphone, ele traz uma série de audios para que você possa fazer uma visita auto-guiada.

site:http://www.musee-moyenage.fr

No local onde se localiza o museu, existiam as termas romanas na epoca galo-romana, mas elas foram destruidas pelos Barbaros no século III. Os benectins de Cluny compraram o terreno para construir um “hotel abbatial” em 1330, mas o edificio que conhecemos hoje em dia foi construido de 1485 à 1498 por Jacques d’Amboise.

O Hotel torna-se museu no século XIX, depois de sofrer varias deteriorações pela Revoluçao Francesa.

O edificio é um dos raros vestigios da Idade Media que existe em Paris.

O hotel de estilo gotico flamboyant é classificado como monumento historico desde 1856 e as termas galo-romanas em 1862.

Talvez muitas pessoas não considerem o Musée National du Moyen Age ou Musée Cluny como ponto turístico, afinal são tantos, que muitas vezes falta tempo para todos, mas conhecer um museu da Idade Média bem no centro da cidade e ver as magníficas tapeçarias da “Dama e o Unicórnio”, nem que seja perder uma horinha do tempo tão precioso, vale muito!!

A arte medieval não é realmente a queridinha de todos. Se é fácil encontrar gente que curta impressionismo (Monet), surrealismo (Dalí), Picasso e suas múltiplas fases. É bem difícil que alguém coloque entre seu top10 de arte qualquer obra medieval. Quem sabe com a exceção das catedrais góticas. Agora quadros, esculturas, é bem mais improvável. Muito se deve ao preconceito que este período leva consigo ao ser muitas vezes apelidado de Idade das Trevas …

Deixe de lado isto das trevas, e tente encaixar em alguma das tuas próximas Viagens para Paris, o Museu de Cluny.

Na área externa possui  um Jardim medieval, chamado de Jardim Celeste.

O que era antes este edifício?

Como já foi dito o edifício em si já é de babar! Na verdade são várias edificações unidas. As duas principais: umas termas do século I d.C. e um palacete do século XV, que por sua vez se construiu sobre a abadia de Cluny do século XIII. Estas termas são o edifício mais importante conservado da Antiguidade na parte norte do Loire!

Como se formou a coleção?


No palacete residia um apaixonado pela arte medieval – Alexandre Du Sommerard. Quando ele faleceu, o Estado comprou toda sua coleção, o edifício e conseguiu a cessão das termas romanas pela cidade de Paris. Em 1843 se inaugurou o Museu de Cluny – Museu Nacional da Idade Média.

No pátio interno, entrada para a visitação, relógio solar na fachada de uma das torres principais.

 

O museu comporta uma quantidade importante de objetos e obras de arte da Idade Média.
Possui muitos artefatos medievais interessantíssimos, incluindo esculturas,  tapeçarias, manuscritos, peças de marfim e madeira, móveis antigos, algumas das esculturas góticas da Notre Dame, Saint Denis e de outras igrejas  roubadas durante a Revolução Francesa.

Dentro de um espaço de 3500 metros quadrados, o museu reune 23 000 obras e objetos (mas apenas 2300 são expostos) que datam do periodo galo-romano até o século XVI.

O que eu não devo perder?


O frigidarium, sala que formava parte das “termas do Norte” da antiga Lutecia (a cidade fundada pelos romanos ao lado do Sena).

As “Termas do Norte” de Lutécia, como eram conhecidas, são o único conjunto arquitetônico galo-romano importante que se manteve de pé em Paris, apesar das sucessivas invasões das tribos germânicas e dos normandos, que não tinham o hábito de tomar banho. Ao que se sabe, suas três câmaras - Caldarium, para os banhos quentes, Tepidarium, para os banhos mornos e Frigidarium, para os banhos frios – mantiveram-se em atividade até o final do século III.

A parte que teve a abóbada restaurada e que está mais conservada é o Frigidarium, cujo pé direito chega à 14,70m.

As paredes originais foram construídas com pedras de cores diferentes agrupadas em faixas, dando um efeito decorativo. E nesse espaço também podemos ver um mosaico que se manteve intacto.
Quem visita o museu se encantará com a História e os objetos existentes: Nas termas encontra-se um raro exemplar de banheira romana. Trata-se de uma peça belíssima em mármore branco.
As termas foram construídas por ordem do próprio imperador Júlio César, depois da conquista da Gália (atual França, parte da Bélgica, Alemanha e Itália). Além das termas, o conjunto comportava ateliês de ginástica e massagem, jardins e até mesmo bibliotecas e museus. “Residia ali a originalidade romana de unir cultura física e intelectual”, diz o historiador francês Jerôme Carcopino.
No século 4, as Termas de Cluny foram saqueadas e incendiadas por bárbaros. Seriam reformadas apenas no século 13, quando a Universidade de Paris (Sorbonne) se instalou no atual bairro Quartier Latin. Visando influenciar o meio estudantil, a poderosa abadia de Cluny, na região francesa da Borgonha, construiu ao lado da universidade um colégio e uma pousada para os abades que visitavam Paris.
mosaico das termas:

As exposições de vitrais. Em duas salas pintadas de negro e com a luz adequada se pode ver bem de pertinho como eram os vitrais dos séculos XII a XV.

Ao subir as escadas de volta à entrada, o visitante encontrará peças referentes ao período medieval: mobiliário, pinturas, tapeçarias, armas, e uma capela com um teto de arcos entrelaçados em madeira

Mas as peças mais importantes nesse andar superior são as tapeçarias. Elas não retratam simplesmente uma cena campestre ou flores e animais, são verdadeiras “histórias em quadrinhos”, só que ao invés dos textos ficarem em balõezinhos, ficavam em faixas estendidas sobre a cena.

Podemos encontrar no Museu:

1. Os medalhões da Sainte Chapelle
Uma sala com iluminação apenas nas paredes abriga os vitrais da Sainte Chapelle de Paris, que estão em Cluny desde 1855. Erguida em 1248 para abrigar os supostos espinhos de Cristo e outras relíquias sagradas vindas de Constantinopla, a “Capela Santa” tinha 1134 vitrais com cenas bíblicas. Os principais eram os medalhões, símbolo máximo da arquitetura gótica da Idade Média
2. As estátuas da Notre-Dame de Paris
Esculpida entre os séculos 12 e 13, esta cabeça pertencia a uma das 28 estátuas de reis situadas acima da porta da catedral de Notre-Dame de Paris. Com 3,50 metros de altura e representando reis bíblicos e ancestrais de Maria, as estátuas foram destruídas durante a Revolução Francesa, por terem sido confundidas com representações dos reis da França. Em 1977, 300 fragmentos foram encontrados por acaso no subsolo de um banco, que doou a “cabeça de homem barbudo” ao Cluny.
3. Sauna seca e a vapor
Além do anfiteatro e do fórum, as cidades conquistadas pelo Império Romano deviam ter também uma terma. A de Cluny comportava o caldarium (sala quente), o tepidarium (sala morna), e o frigidarium (sala fria). Com mais de 200 metros quadrados, colunas de 14,5 metros e paredes de 2 metros de espessura, o frigidarium de Cluny é o exemplo conservado do legado romano em Paris
4. O pilar dos navegantes
Na mesma sala do frigidarium está exposto o pilar dos navegantes, o mais antigo monumento datado de Paris. Erigido pouco tempo depois da conquista da Gália pelos romanos, esse pilar tinha originalmente 5 a 6 metros de altura, era ornado em baixo-relevo e trazia, em sua iconografia, a referência ao deus Júpiter, mestre do panteão romano
5. Trombetas de Marfim
Os trabalhos de marfim são representados em três salas do museu Cluny. No período medieval a presa de elefante foi um material empregado na produção de vários objetos, como taças, peças de xadrez, retábulos e instrumentos musicais. Dentre esses últimos, os olifantes eram trombetas curvas cujo nome derivava justamente do material de que eram feitos, isto é, presas de elefante
6. A vida cotidiana da Idade Média
O Cluny também é rico em peças de uso cotidiano na vida senhorial. Esta última sala do térreo concentra alguns desses objetos de que se valia o homem medieval em seu dia-a-dia, tais como cofres, sapatos, moedas, brinquedos e pentes. Fabricados no norte da França por volta de 1500, já em fins da Idade Média, os pentes de madeira traziam em sua rica ornamentação motivos heráldicos, lemas amorosos ou ainda temas religiosos
7. Tapeçarias: a dama e o unicórnio
O comércio de tecidos foi um dos mais ativos da Idade Média. Marca inequívoca do período, a famosa tapeçaria A Dama e o Unicórnio dispõe de uma sala de exposição exclusiva, uma das mais procuradas pelos visitantes. Esse conjunto de tecidos antigos foi feito em Bruxelas no século 15, e compõe-se de seis painéis, cinco representando os sentidos humanos. A peça acima significa a audição
8. Ourivesaria: a rosa de ouro
Desde o século 11 as rosas de ouro eram uma espécie de prêmio Nobel dados pelos papas, no quarto domingo da quaresma, a quem consideravam piedoso. Mas a premiação era decidida também politicamente. A rosa de ouro do museu Cluny foi feita em 1330 na cidade francesa de Avignon – sede do papado entre 1309 e 1411 –, e é a mais antiga do mundo. Encomendada pelo papa João XXII (1249-1334), foi oferecida a Rodolfo III de Nidau, conde de Neuchâtel (Suíça), seu aliado contra o imperador Luís, da Bavária
9. Vitrais: jogadores de xadrez
Os vitrais são apresentados no museu em mais duas salas do museu Cluny. A peça abaixo mostra uma partida xadrez, jogo retratado em toda a cultura da Idade Média, da literatura às artes figurativas, como uma metáfora do ritual amoroso. Durante o Renascimento e a Contra-Reforma católica, os vitrais, símbolo da religiosidade medieval e assim de um passado a ser negado, foram gradualmente esquecidos.
10. A capela do Hotel de Cluny
Antigo oratório dos abades de Cluny, esta sala se destaca pela exuberância de seu teto, composto por várias cúpulas em estilo gótico. Na capela há também 12 nichos que abrigavam as estátuas da família de Jacques d’Ambroise, responsável pela reconstrução do Hotel de Cluny. Uma escada de pedra em espiral fazia a ligação direta entre a capela e o jardim do museu.

O acervo do Museu de Cluny está dividido nos seguintes departamentos:

  • Antigüidade e início da Idade Média, com peças que atestam o processo de romanização da Gália e outras dos povos bárbaros invasores de períodos mais tardios, com jóias, elementos de cantaria e esculturas, placas de marfim esculpido, e peças litúrgicas. Muitos itens são originários de regiões distantes como o EgitoÁsia MenorBizâncio e Espanha, registrando o intenso intercâmbio cultural e comercial entre a Gália e outras regiões do império romano.
  • Mundo Românico, com variedade de peças ilustrando as variadas correntes estilísticas em atuação no período, provenientes de diversas parte das Europa, com tapeçariasiluminurasesmaltesvitrais, estatuária, além de vários capitéis e esculturas resgatados aquando da demolição das abadias de Saint-Germain-des-Prés e de Sainte-Geneviève durante o Império.
  • Tapeçarias, Tecidos e Bordados, com uma das mais importantes coleções em seu gênero, com obras provenientes de Bizâncio, Oriente Médio, Egito e Europa. Dentre as peças mais notáveis estão as tapeçarias da série A Dama e o Unicórnio,Libertação de São Pedro, e a Vida de Santo Estevão.
  • Escultura Gótica, com rico acervo de peças que mostram a evolução da arte da escultura na Paris dos séculos XII e XIII, com uma série peças e fragmentos originários de catedrais e outras igrejas, que haviam sido roubadas ou depredadas na Revolução Francesa, e que vêm sendo recuperadas em uma feliz série de coincidências.
  • Pinturas, Miniaturas e Vitrais, reunindo itens de técnicas diversas mas que têm a cor como interesse central.
  • Marfim e Ourivesaria, com uma das mais ricas coleções de peças em metais e pedras preciosas e esmaltes, com obras-primas como as Coroas de Guazarrar, deToledo, e o Altar de Bale, proveniente do tesouro da Catedral de Bale, e uma das maiores esculturas em marfim da Madonna hoje existentes.
  • Empréstimos, com uma variedade de obras em exposição temporária emprestadas de grandes museus da França, Europa eAmérica.

Nas exposições permanentes estao expostos:

 

Museu de Cluny é um museu pouco badalado ,mas representa um período da história em que a Igreja teve influencia sobre toda a sociedade Européia e que foi marcado pela fome, peste e guerras santas (as cruzadas). Tivemos ainda a Santa Inquisição, ponto máximo da intolerância religiosa e que mostrava o poder da igreja católica.

Sendo assim, não é de se estranhar que no século XV os humanistas a considerassem a “Idade das trevas“ uma vez que todo o desenvolvimento cultural, artístico e econômico foi paralisado na Europa, não é por outra razão que grande parte do acerto do Cluny é composto de obras religiosas. São estátuas, pinturas, tapeçarias, oratórios e vitrais que nos dão uma mostra da cultura e religiosidade da época.

estátua em madeira: Virgem Maria com Cristo no colo

estátua em madeira

O beijo de Judas

Jesus Cristo

O Cristo de ramos, escultura do século XV

madona

a arte em vitrais

É possível encontrar as cabeças das estátuas dos reis do Antigo Testamento que ornamentavam os pórticos da Catedral de Notre Dame. As imagens foram decepadas na época da Revolução Francesa, pois os revolucionários confundiram com estátuas de reis comuns.

Tais obras de arte precisam ser visitadas e conhecidas.

Nesta série  chamada de “La Dame à La Licorne” – A Dama e o Unicórnio,  as  seis tapeçarias  foram tecidas em Flandes, em estilo “mille -fleurs” (mil flores) no final do séc. XV (cerca de 1490). Cada peça de tapeçaria tem aproximadamente 3,5×3,5metroso material utilizado consiste de lã e seda.Não se sabe quem é o artista, porém é uma das tapeçarias mais famosas do Periodo Medieval.

Impactante a visão da escuridão e ao entrar na sala , o deslumbre com as tapeçarias. Lindas!!

Elas ficam na penumbra em uma sala semicircular; cinco delas ficam na parede circular, em sequência, e a sexta na parede reta. Todas elas têm o fundo vermelho e uma série de animaizinhos e plantas espalhados, sem perspectiva para dar profundidade de campo, mas com um detalhamento bastante cuidadoso: é possível identificar limoeiros, romãzeiras, macieiras e outras árvores, bem como coelhos, garças, raposas e até macacos. Na parte central de cada peça encontra-se uma dama (percebe-se que não é uma camponesa pelos trajes, joias e pelo porte da donzela), um leão e um unicórnio, um deles sempre segurando um estandarte de fundo vermelho com uma faixa diagonal azul onde se alinham três luas crescentes.
As cinco peças representam os cinco sentidos, de acordo com a ação que a dama exerce em cada uma: tecer uma grinalda de flores (olfato), tocar um instrumento musical (audição), servir-se de um doce (paladar), segurar um espelho (visão) e tocar o chifre do unicórnio (tato). A sexta tapeçaria é um pouco mais larga que as outras e mostra a dama em frente a uma tenda onde há uma faixa com o texto ” A Mon Désir seul” “Ao meu único desejo”. Ao seu lado há uma criada com um baú aberto, onde a dama está colocando o colar que tinha no pescoço; o leão e o unicórnico continuam presentes, cada um de um lado, segurando o estandarte da família.

O paladar é representado pela dama recebendo um doce de sua serva.

A audição é representada na tapeçaria em que a dama toca musica.

A visão é representada pelo Unicórnio que se observa no espelho segurado pela dama.

O olfato é representado por um macaco que respira o perfume da coroa de flores.

O tato é representado pela dama que segura o chifre do Unicórnio.

O mistério fica na sexta obra em que nenhum dos sentidos pode estar sendo representado, a menos que na época um sentido a mais teria sido considerado. Nesse tapete a inscriçao a mon seul desir (ao meu proprio desejo). A imagem é da dama ofertando seus pertences a sua serva, o que poderia representar a renuncia, o amor, o livre arbitrio, mas nenhuma das pesquisas foi conclusiva a esse respeito.

São várias as interpretações para essa última peça: uma delas defende que o abandono da joia significaria a renúncia às paixões suscitadas pelos sentidos e a vitória da vontade. Outra afirma que a cena representaria o sexto sentido, que seria o entendimento. E uma terceira segue a linha da anterior, mas identificando esse sexto sentido como o amor.

Vamos discorrer sobre a sexta peça “à Mon Seul Desir” – ao meu único desejo – que trata de um tema obscuro diversamente interpretado como amor.

 Análise:

A imagem é figurativa composta de uma senhora no centro do quadro, à sua direita temos a imagem de sua serva, seguindo de um unicórnio. Ao lado esquerdo da dama temos um leão, atrás uma tenta com os dizeres À Mon Seul Desir – Ao meu único desejo, referente ao nome da peça. Todos esses elementos estão concentrados em cima de uma espécie de ilha, palco. A composição da obra é triangular fazendo com que os olhos do expectador percorram o quadro traçando visualmente esse símbolo geométrico.

As flâmulas do unicórnio e do leão carregam as armas do patrocinador, Jean Le Viste ( um nobre poderoso da corte do Rei Charles VII).

O estilo Mille-Fleurs – Mil Flores refere-se ao fundo feito de inúmeras pequenas flores e plantas, estilo que tornou-se muito famoso durante a Idade Média e que podemos constatar na obra.

As cores utilizadas são predominantemente as cores luminosas: vermelho,azul e dourado. o desenho não tem a noção de tridimensionalidade, colocando as figuras apenas sobre postas umas as outras, sem a idéia de espaço, distancia. Porém podemos notar um tratamento volumétrico com as mesmas expressões graciosas e posições sinuosas. A noção de perspectiva ainda é muito básica.

Podemos notar características góticas na tapeçaria “ à mon Seul desir” no lado emotivo que a obra apresenta, uma escala monumental e majestosa, uma forte dramatização dos personagens inseridos em planos de pouca profundidade e perspectiva distorcida.

 Interpretação:

A Dama é nitidamente proporcionalmente maior que a serva indicando a sua importância social. Há sempre a afirmação nos detalhes da condição e característica da nobreza, como por exemplo os tons dourados, vermelhos e azuis vão ajudar à associação de importância e santidade das personagens.

Esse período foi marcado por uma sociedade feudal rigidamente hierarquizada. As cores eram privilégios dos mais abastados, quanto mais luminosa e pura mais tinha seu peso pago o equivalente em ouro. Por décadas as cores luminosas foram reservadas para os ricos e as cores apagadas foram destinadas para os pobres, onde o preço de uma cor tinha influencia direta sobre seu significado.

A partir do século VI, quando o papa Gregório Magno promulgou uma lei para a pintura cristã, as cores pareceram nas vestimentas como signos de reconhecimento. Num mundo iletrado era fácil saber quem era quem através das cores das roupas. Azul para a Virgem Maria, vermelho para Jesus, púrpura para Deus e verde para o Espírito Santo.

Voltando para o tema da obra, podemos notar que o gesto da Dama é de tirar o colar do peito e guardar em um baú suas jóias. Esse gesto significaria a renúncia das outras paixões despertadas pelos outros sentidos, e como uma afirmação de seu livre – arbítrio. Ou seja, uma mulher renunciando o mundo físico dos sentidos para o mundo espiritual, como a Virgem Maria.

 Julgamento:

A harmonia e beleza da tapeçaria vem do arranjo das cores e da delicadeza das linhas da imagem. Através dessa maravilhosa composição o expectador é capaz de se sentir envolvido pela narrativa. Há uma conexão muito forte com o observador, fazendo com que ele queira entrar na história narrada e fazer parte dela. Sente-se a cumplicidade de tais fatos. A imagem nos provoca emoções: parece que é possível transportar todos os nossos sentidos (olfato, paladar,audição, visão e tato) para uma época que nos parece tão familiar.

É impressionante como nos é possível fazer ler os pensamentos da Dama, sentir o pelo do unicórnio, ser reverente à magestade do leão; todas essas emoções nos é dada de forma tão natural, que talvez seja a nossa história que está sendo narrada.

 

 

 

 

 

 

 

Read more...


Jean Pierre Augier – Sculpteur

 O escultor  Jean Pierre Augier encontra sua inspiração em ferramentas antigas ou em objetos de ferro que ele transforma, por montagem, em personagens ou animais em movimento.

Ele salva, assim, do esquecimento, da inutilidade, da destruição, o que tiha sido eliminado ou iria para a fundição.

O seu trabalho  transfigurou-os para lhes dar outra vida, a de uma obra de arte.

 

 

A Mulher, o casal, a maternidade, as fábulas e os contos, a mitologia e os assuntos religiosos constituem os seus temas favoritos.

Reconhece-se na sua obra quatro” virtudes cardeais”: a graça, o movimento, a ternura e o humor.

A arte de Jean Pierre Augier….feita de harmonia, de equilíbrio, de pureza linear e de perfeição formal.

 

Femmes, maternités

 

 

 

Hommes

Sujets d’inspiration religieuse

Les Animaux

 

Fables et légendes

Sculptures monumentales

 

 

Collections Personnelles NB

As esculturas de J P.Augier foram objeto de múltiplas exposições, a maior parte na França, mas também na Bélgica,na Alemanha , na Suiça e em Nova York.

A sua escultura…fora do comum, resulta da combinação da magia e de graça postas ao serviço de suas mãos, para nossa felicidade.

O seu site nos dirá mais sobre ele e suas esculturas.

http://www.jpaugier.fr/

 

Jean-Pierre AUGIER

445, chemin du Roure

06670 Saint-Blaise, France

Téléphone domicile : 0033 (4)93 79 73 62

Téléphone atelier : 0033 (4)93 79 73 24

E-mail : augierjp@orange.fr

Read more...


Bateau Mouche

 

É possível visitar a cidade pelo Rio Sena de maneira muito agradável. E muito interessante, diga-se de passagem…

Os bilhetes custam em média 10 € (adulto) e  5 € (criança.). É imperdível e considero quase que obrigatório àqueles que vão a Paris pela primeira vez – e até mesmo a quem já está cansado da visão turística tradicional da cidade.

Inicialmente aconselho a se fazer o passeio completo ao longo do trajeto do rio. Navegar por essas águas se torna uma experiência ainda mais incrível se o tour for feito no final da tarde, com direito a pôr-do-sol e uma visão privilegiada do ascender das luzes da cidade.

A noite a vista também é linda…


Ah, e para completar, os Bateaux também oferecem comentários turísticos em várias línguas, além de uma versão interativa para crianças – só que disponível apenas em francês. Todasas informações necessárias podem ser encontradas nos sites oficiais das empresas.

Vou dar três nomes de empresas que fazem o serviço:

Bateaux-Mouches - Você embarca bem ao lado da Torre Eiffel. Chama-se Pont de l’Alma. O metrô é o Alma-Marceaux, que fica do lado da Embaixada do Brasil (aproveitando e informando) e a linha é a 9.
Os horários de saída são: 10:15h, 11h, 11:30h, 12:15h, 13h, 13:45h, 14:30h, 15:15h e a cada 20 minutos, a partir de 19h terminando às 23 h.
Preço para adulto : 10 euros e criança de 4 até 12 anos : 5 euros. Menores de 4 anos :  não paga.
Se tiver ventando muito, aconselho ficar na parte fechada e, se tiver sol muito quente, coloque chapéu pra não queimar muito o coco.

Pont de l’Alma rive droite, 75008 Paris

http://www.bateaux-mouches.fr/pt

 

Bateaux Parisiens Tour Eiffel - Sai da Port de la Bourdonnais e o metrô é o Bir-Hakein, linha 6.
Saídas todos os dias, de 10h às 22:30h e saem a cada meia hora.
Preço pra adulto : 11 euros e criança até 12 anos : 5 euros.

http://www.bateauxparisiens.com/

Bateaux Vedettes de Paris Tour Eiffel - Saem da Port de Suffren e o metrô é o Bir-Hakein, linha 6. Saem todos os dias de 11h às 20h. As tarifas são de 11 euros pra adulto, crianças entre 4 e 12 anos pagam 5 euros e menores de 4 anos não pagam nada.
Tem um passeio que se chama Croisière Plaisir, que é de 1 hora e você pode optar por uma taça de champagne (nacional… rs) ou kir ou uma crepe. Por essa gracinha, você paga 16 euros pra marmanjos, se tiver de 4 a 12 anos : 11 euros e pequenos com menos de 4 anos “de grátis”.
Outro passeio se chama Croisière Pasta. É um passeio de 1 hora e, como o nome indica, servem um prato de massa e 1 refrigerante ou suco. O custo da brincadeira é de 18 euros, 13 euros e zero euros.
Tem outro passeio que é o Croisière Dégustation ( provar a bebida ) champagne. Quinta-feira, sexta, sábado às 18 h e paga-se 40 euros.

Toit terrasse du bateau mouche, Paris Notre Dame

Le restaurant péniche se rapproche de l’île de la Cité, de l’île Saint-Louis et de Notre Dame Notre Dame. Au niveau inférieur, le dîner croisière en est au dessert et quelques couples sont montés pour fumer une cigarette. Le parcours du Bateau mouche permet de voir tout Paris depuis sa table de dîner croisière.

E, pra finalizar, tem o Diner-Croisière ( jantar ) de duas horas, que rola aos sábados às 20 h, tem que reservar ( 01 47 05 71 29 ) e custa 80 euros.

Eu já fiz o passeio de dia e à noite. Todos os dois são muito legais. Se puder, faça os dois. Nunca comi, mas conheço pessoas que já jantaram e disseram que a comida é legal. Pelo menos, é tudo lindo, à luz de velas, romântico.

As pessoas amam abanar as mãos e dar adeus, e eu adoro ficar em cima das pontes dando adeus pro povo que passa nos barcos. É uma festa ver o barco todo dando adeus ! Experimente ! Libere o seu lado turista e criança !

Você vai se sentir a Júlia Roberts no filme “O casamento de meu melhor amigo”.

 

Read more...


Montmartre – ficou famoso pela sua igreja, o Sacre-Coeur, pelos seus pintores, por seus cabarés e pela vista que se tem de Paris.

Montmartre é um bairro boêmio da cidade de Paris. É uma colina que, já no tempo dos gauleses, se destinava a lugar de culto. Deve seu nome, provavelmente, aos inúmeros mártires cristãos que foram torturados e mortos no local por volta do ano 250.Consagrada a São Dionísio, tornou-se, na Idade Média, um lugar de peregrinação. Em 1133, passou para a jurisdição de monges beneditinos, que, ali passaram a cultivar uvas para produção de vinho, atividade que permanece sendo exercida até hoje no local.

Graças à sua posição estratégica, Montmartre foi, muitas vezes, centro de comandos militares. Em 1860, o bairro foi ligado à cidade e transformou-se num ponto de encontro importante de artistas e intelectuais, famoso pela sua animada vida noturna.

Nos séculos XIX e XX, acolheu vários artistas, entre eles: Toulouse-Lautrec, Cézanne, Monet,Van Gogh, Modigliani, Renoir,Picasso..modelos, bailarinas que frequentavam o lugar, contribuindo para criar um clima libertário.

Esse é um bairro boêmio, gastronômico e cultural muito charmoso, com suas ruas repletas de escadas e carregadas de história. É um dos pontos turísticos mais populares de Paris, recebe em média 6 milhões de visitantes por ano.

Hoje, as suas ruas ainda se animam com artistas, turistas e vendedores ambulantes.

 

No ponto mais alto da colina, situa-se a famosa Basilique du  Sacre Coeur

Essa monumental Basílica nasceu de uma promessa feita por dois empresários católicos. Em 1870 eles fizeram um voto de que construiriam uma igreja dedicada ao Sagrado Coração de Cristo se a França escapasse do iminente massacre prussiano.

 Sua construção teve início em 1875 e foi concluída em 1914. Mas a sua consgração foi em 1919, após o fim da Primeira Guerra.

Um gigantesco mosaico com a imagem de Cristo domina a abóbada da igreja.

Este bairro, de número 18, está situado no norte da cidade e ficou famoso pela sua igreja, o Sacre-Coeur, pelos seus pintores, por seus cabarés e pela vista que se tem de Paris.

Várias são as possibilidades para subir até Montmartre.

Primeira Possibilidade

A maneira mais fácil é descer no metro Anvers, no boulevard de Rochechouart,

pegar a rue Steinkerque na frente da saida do metro,

andar dois pequenos quarteirões e você já chegou aos pés do Sacré-Coeur.

Daí e só pegar o funiculaire - o bondinho

 

 

O “funiculaire” de Montmartre, (um pequeno bondinho que custa um bilhete de metrô), ou subir uma escada de 222 degraus até o nível da Igreja. 

Outras escadas para subir…

Quando estiver na frente da Igreja, se pegar a rua a esquerda você vai chegar na Place du Tertre, a famosa praça dos pintores. Pronto. Este é o circuito que os turistas do mundo inteiro fazem.

O restaurante La Mère Catherine tem mais de 200 anos e dizem que foi frequentado por Napoleão.

Com vários restaurantes e lojinhas de souvenirs, tornou-se o centro turístico do bairro.

Na Place du Tertre, a partir do século XIX,vários artistas começaram a expor seus quadros.

 

Place du Tertre- musicos cantando


ZAZ à Montmarte

Eu acho que você não deve ficar neste circuito turístico super comum.

Segunda Possibilidade

Eu sugiro que ande pelas escadas e ruelas do bairro para descobrir o que realmente contribui para que Montmartre seja um dos bairros mais charmosos de Paris.

Este passeio começa e acaba na Place Blanche no boulevard de Clichy, onde está situada a estação de metro Blanche.

Quer dizer, você vai começar o passeio pelo Moulin Rouge , o mais famoso cabaré da região e um dos mais famosos de Paris.

É um símbolo da noite parisiense. Foi construído em 1885 e transformado em salão de dança em 1900. Famoso pelo seu “Cancan”, foi imortalizado pela pintura deToulouse Lautrec. Os preços dos ingressos vão de 92 à 180 euros, dependendo se você for jantar ou somente assistir ao show. Hoje somente as pás vermelhas do moinho são originais.

Moulin Rouge está na frente do metro Blanche então antes de começar o passeio dê uma olhada no programa do cabaré e, se gostar, compre já seu ingresso.

Moulin Rouge, 82, Boulevard de Clichy – metrô Blanche

Do lado direito desta casa de espetáculos está a Rue Lepic

Neste video você pode dar uma volta pelo bairro…


Van Gogh morou no número 54 desta rua, de 1886 a 1888, como hóspede de seu irmão.

A Lepic é uma rua de comércio alimentar, tipicamente parisiense e tem uma boulangerie deliciosa, pare e compre um pãozinho na Saint Preux.

” il faut emprunter la rue Lepic pour monter vers la butte. Van Gogh y habita au n°56 et Jean-Baptiste Clément (auteur du Temps des Cerises) au n°112. Le bas de la rue est un marché animé. Un peu plus haut, la station de métro des Abbesses est l’une des dernières en style Guimard avec verrière.

On trouvait rue Lepic de nombreux moulins au siècle dernier dont le fameux Moulin de la Galette (à l’angle des rues Lepic et Girardon), immortalisé par Pierre Auguste Renoir.

Le Lux Bar de la rue Lepic

Le Lux Bar, au milieu de la rue Lepic, a une devanture originale. La rue Lepic est l’une des rues les plus commerçante de Montmartre. Cette rue est toute droite à partir de la place Blanche, puis effectue un virage à gauche à 90° pour partir dans une boucle qui va jusqu’à passer au pied du moulin de la Galette.

 

Les Deux Moulins

Na Rue Lepic encontramos o Café Les Deux Moulins (que se tornou famoso no mundo todo pelo filme “Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain”

Le café tabac “Les deux Moulins” a servi de décor au film “le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain”. Il est depuis littéralement envahi de touristes. Il porte sans doute son nom du fait de sa situation géographique, rue Lepic, juste entre le moulin de la Galette et le Moulin Rouge.

Nesta rua você vai encontrar o Moulin de la Galette.

Vários moinhos existiam antigamente na montanha de Montmartre. Hoje, existem apenas 2: “Le blute Fin” e “Le Radet”(mais famoso pelo seu nome “moulin de la Galette”).
Em 1809, seu propietário Nicolas Debray abre neste local um comércio de vinhos e em 1812 ele compra o moinho, que acaba o transformando em Guinguette (um lugar para bailes).
Este local ficou eternizado graças à tela de Renoir (“Le bal du Moulin de la Galette”- hoje esta pintura pode ser observada em Versailles).
Taulouse Lutrec também pintou este baile.
Utrillo
Hoje o Moulin de la Galette se transformou em um restaurante, cuja cozinha é muito boa! Não hesite em entrar e descobrir o terraço do restaurante.
 
Moulin de la Galette
83, Rue Lepic
Metrô: Abbesses (linha 12) ou Lamarck-Caulaincourt (linha 12)
Site: http://www.lemoulindelagalette.fr/en
Tel: 33 (0)1 46 06 84 77.
Outros restaurantes em Montmartre: très chic, très beau et une excelente cuisine…

Au Clocher de Montmartre

10, rue Lamarck

75018 Paris

+33(1) 42 64 90 23

site:http://www.auclocherdemontmartr

 

Au Chamarre de Montmartre

52 rue Lamark

75018 Paris

+ 33 (0)1 42 55 05 42

site: http://www.chamarre-montmartre.com/

Son célèbre chef Antoine Heerah

 

Chegando no alto vire à direita e preste atenção no charme deste cantinho de Paris. Você vai chegar na place des Abbesses onde está situada a bela estação do metro.

 

Place des Abbesses- músicos ficam tocando…


Musiciens anglophones avec danseuse en plus ont animé la fin de matinée la petite place des Abbesses tout prés de Montmartre, quel bonheur de vivre !!.

Continue na Abbesses e em seguida pegue a rua d’ Orsel e vire a Trois Frères à esquerda. Na esquina de Trois Frères e Yvonne le Tac está o restaurant Progrès,

onde você pode almoçar ou comer um sanduíche de camembert. Nesta esquina você já vai começar a ver as famosas escadas de Montmartre.

Daí você pega a rue Tardieu à direita,

 

sempre prestando atenção nas pequenas lojas charmosas e um quarteirão mais tarde você está aos pés do Sacré-Coeur.

Como já foi dito , você tem duas possibilidades para subir até a Igreja. O bondinho ou as escadas.

Aí está a entrada do funiculaire, os turistas esperando o bondinho e o músico esperando uns trocados.

Ao lado estão as escadas. A subida é linda porque aos poucos você vai descobrindo a vista de Paris.

Chegando no alto  o número de turistas é impressionante, sobretudo se o tempo está ensolarado e se os músicos estão animando o ambiente.

Do alto podemos ter vistas maravilhosas


Deste nível, faltando um lance para chegar à igreja , ou no nível das portas do Sacre-Coeur, virando à esquerda na rue Saint Eleuthere

ou na rue Azais

você chega na Place du Tertre, a famosa praça de Montmartre, com seus pintores, seus restaurantes e seus turistas.

Na praça, pegue a rue Norvins.

No início, esta rua será ainda muito turística com seus  célebres posters de Montmartre.

Aos poucos você entra no verdadeiro Montmartre, calmo, muito verde, com casas maravilhosas e um ambiente muito particular, como uma cidade do interior da França.

Rue Saint Vincent

C’est un coin tranquille de la butte montmartre, à quelques dizaines de mètres seulement de la place du tertre et de sa cohue. Cette rue doit son nom au prénom d’un certain Vincent Compoint, propriétaire, ce qui est finalement assez rassurant. La rue surplombe d’une dizaine de mètres ce jardin, protégé en belle saison par la frondaison des arbres et que quelques habitués occupent assidument de leurs parties de boules acharnées. Les amateurs de chansons réalistes se souviendront également de la chanson de Marc Ogéret :

On l’appelait rose, elle était belle,
a’ sentait bon la fleur nouvelle,
rue Saint-Vincent

Yves Montand canta esta rua..

Maurice Guéguen tourne l’orgue de barbarie (“Canard Bleu”) et chante “Rue Saint-Vincent”


Les Frères Jacques- Rue Saint Vincent

Patachou

Renaud Séchan

Seguindo sempre a rue Norvins você chega na place Marcel Aymé e verá uma escultura interessante, uma homenagem à sua obra mais conhecida Le Passe Muraille, o homem que passava através dos muros.

 

Nós estávamos na praça Marcel Aymée. Vire à direita na rue Girardon

em direção à pequenina place Dalida e a rue de l’Abreuvoir.

Casa de Dalida e Praça Dalida - Dalida foi uma cantora famosa na França nos anos 60 que se suicidou nesta casa em maio de 1987. 

 

rue de l’Abreuvoir

Nesta rua está a Maison Rose

La maison Rose rue de l’abreuvoir,rendue célèbre par Maurice Utrillo peintre chez qui la couleur joue un rôle essentiel.


Pegue esta rua em direção ao Sacre-Coeur, que você está vendo no fundo, até a rue des Saules, em seguida vire à esquerda para chegar na rue Saint Vincent. Nesta duas ruas estão as vinhas de Montmartre que dão origem à um vinho.  Eu nunca o provei, mas é interessante pensar que a prefeitura produz não sei quantas garrafas de vinho por ano com estas uvas urbanas. O vinho é vendido pela prefeitura do bairro e custa 40 euros. A colheita das uvas, ou seja les vendanges, acontece no mês de outubro com uma grande festa muito simpática. Se estiver em Paris nesta época não perca este evento.

No primeiro sábado de outubro acontece a “Fête des vendanges” de Montmartre, que reune mais de 350.000 pessoas, para comemorar o início da colheita das uvas. Fica na Rue Saint-Vincent, com construções dos anos 1930 ao redor.

 

O Cabaré Au Lapin Agile, é uma das casas noturnas mais famosas de Paris e frequentada por muitos artistas franceses no início do século XX. Fica na Rue des Saules.

Após ver as vinhas volte para a praça Marcel Aymée e pegue a rue d’Orchampt

 

para chegar na place Emile Goudeau.

 

Praça famosa graças ao Bateau Lavoir, um prédio que no início do século XX foi moradia e atelier de Picasso, Brancusi, Modigliani e tantos outros. Este imóvel pegou fogo em 1970 mas no seu lugar existe uma vitrine que conta a história do Bateau e de seus ilustres hóspedes.

Picasso écrivit : “Je sais que l’on reviendra au Bateau-Lavoir. C’est là que nous avons été vraiment heureux, nous étions considérés comme des peintres et non comme des bêtes curieuses.”

Aproveite para admirar este exemplar das fontes Wallace, tão parisiense…

Continue descendo para voltar para a rue des Abbesses e em seguida Lepice -place Blanche e assim termina este circuito.

Eu escolhi como ponto de partida e chegada a praça Blanche por duas razões. A primeira, Lepic e Abbesses são ruas que estão na moda e muito parisienses adoram. A segunda, se você estiver em família ou em grupo e se um dos membros não topar esta longa caminhada, ele pode pegar o trem que passeia por Montmartre. O ponto de partida e chegada deste trem é a praça Blanche.

O site oficial para informações sobre a festa do vinho de Montmartre é: www.fetedesvendangesdemontmartre.com

Terceira Possibilidade

Agora eu vou dar uma dica muito pessoal. Eu não subo até o Sacre-Coeur pelas escadas principais na frente da igreja nem pelo bondinho.

Eu vou a Place Saint Pierre

 

Na praça Saint Pierre  você vai encontrar o Mercado Saint Pierre, este prédio feio de 5 andares. É o templo dos tecidos em Paris. Uma das maiores lojas de tecidos do mundo, onde profissionais da costura, estilistas e decoradores fazem suas compras.

Viro à esquerda na rue Ronsard e um pouco mais para a frente começo a subida pela rue Paul Albert.

Muito verde, menos turístico e eu chego numa praça com um café simpático, é só seguir as indicações e continuar subindo.

Esta subida é mais longa, mas passa por escadas que os parisienses que moram no bairro utilizam.

Como no outro circuito, chegamos aos pés da igreja.

Montmartre é  realmente um bairro muito especial, com uma personalidade forte diferente de todos os outros. Não deixem de visitá-lo.

Ainda encontramos:

Igreja Saint Pierre de Montmartre
Construida de 1133 até 1147, é uma das igrejas mais antigas de Paris. Vale a pena visitar e ver seus bonitos portais de ferro, seus vitrais. Fica na Rue du Mont Cenis 2.
Cemitério de Montmartre
Visitar o cemitério de Montmartre é, sem dúvidas, um passeio diferente.Repleto de árvores e na calma que todo cemitério pode ter, ali você pode visitar algumas personalidades francesas, como:
O escritor Zola
O pintor Degas
O cineasta Truffaut
A cantora Dalida
O escritor Sthendal
 Endereço:
Rue Caulaincourt
75018-Paris
Metrô Blanche

Musée de Montmartre

Instalado desde 1960 em uma das mais das velhas residências do bairro, o museu de Montmartre protege documentos, quadros, cartazes, porcelanas, litografias, desenhos, que reconstituem a história artística, política, religiosa e folclórica deste lugar.

Museu de Montmartre, Rue Cortot, 12

A Casa-Museu de Montmartre é muito singela.

Sediada nesta rua estreitinha, as suas portas abrem-se para um pequeno pátio interior.

A Casa apresenta aos seus visitantes os marcos pelos quais Montmartre ficou conhecida: a crise, as festas, a vida boemia de cabaret.

O seu espólio é eminentemente gráfico.

As suas paredes apresentam alguns dos mais importantes posters de época, aquarelas que mostram um Montmartre de outrora (de moinhos), a Diva Japonesa, Chat Noir, cartazes do Moulin Rouge, do Lapin Agile, Mirliton, ironias e críticas sociais principalmente quanto ao consumo do álcool e do absinto.

 

A tela “Parce Domine” (1885) de Adolphe Willette pode ser admirada lá

Adolphe-Léon Willette foi um pintorilustradorcaricaturista e litógrafo anarquista francês .

“Parce Domine” é uma imensa tela que Adolphe Willette (1857-1926) criou para o cabaret do Chat Noir. Mostra uma multidão numa macabra procissão de sofrimento, encabeçada por um Pierrot que comete o suicídio. É uma alegoria da Morte, da futilidade da Vida e dos prazeres frívolos.

 

Na década de 60 e 70 do século XIX, assistiu-se a um grande desenvolvimento da publicidade a qual utilizou os cartazes como meio.
Nas décadas seguintes, este fenomeno acabaria por alterar a paisagem urbana. De cores atrativas, os cartazes ganham uma importância cada vez maior, também sendo maior as suas dimensões.

 Jules Chéret ( 1836 -1932) , foi pioneiro, em 1860, na criação de cartazes publicitários artísticos,onde combinava imagens com um texto curto, que permite uma leitura rápida e a percepção clara da mensagem.Foi Chéret o primeiro a compreender a importância da dimensão psicológica da publicidade ao elaborar cartazes baseados na sedução e no impacto emocional. Para tal utiliza a imagem da mulher, bela , viva e alegre como ilustração… A maioria dos protagonistas dos seus cartazes, foram as mulheres bonitas e elegantes em poses altamente dinâmicas.

“A la place de Clichy” de Chaix (litografia)

A Indústria ou Cabarets como o Moulin Rouge, Divan Japonais, Elysée Montmatre, Moulin de la Galette, Trianon recorreram a artistas como Toulouse-Lautrec, Chéret, Grun Théophile Steinlen, Francisque Poulbot.

 Toulouse- Lautrec, o artista dos cabarés

O pintor que renegou o passado aristocrático de seus ancestrais e passou a vida retratando as dançarinas de Paris.

 

 

Grun Théophile Steinlen

Steinlen (1859-1923) nasceu em Lausanne, Suiça, aos 22 anos de idade partiu a Paris para perseguir uma carreira nas artes, se estabelecendo em Montmartre. Sua carreira de cartaz começou em 1885, e produziu um número de imagens memoráveis, fazendo seu ponto com clareza e introspecção. Seus desenhos refletem uma compaixão com os pobres, menos favorecido, e para todas causas que apontam valores simples de ser humano. Freqüentemente usou a própria família em projetos de cartaz: sua esposa, filha, mesmo os gatos de família são mostrados repetidas vezes, sempre com ternura e orgulho.

 

Francisque Poulbot

Artista francês (1879-1946). Foi da sua infância, que ele tirou sua inspiração e as crianças que ele desenhou, toda a sua vida ,tornaram-se famosas com o nome de pequenos poulbots. Estas são as crianças que ele encontrava em Montmartre, onde ele morava. Ele multiplicou esboços que enfatizavam o humor dos personagens.Ninguém sabia melhor do que ele traduzir sua insolência encantadora,mostrando miséria e sofrimento.

 

 

Musée Montmartre
12, Rue Cortot,
75018 Paris, França
- website: www.museedemontmartre.fr
- entrada grátis 1º Domingo do mês;
- não é aceite o “Passe Museus”.
- permitido tirar fotografia SEM flash.

Espace Montmartre Dali

330 trabalhos do pintor e escultor espanhol estão em exposição no interior deste espaço.

Espace Dali, Rue Poulbot 11

No Espace Salvador Dali, as peças em exposição la podem não ser as mais famosas do artista, mas são muito bonitas e ha peças de bronze dos famosos relogios fluidos.

Alice

Encontro com a lagarta

Um dedão

Relógio Flúido

 

Museu do Erotismo

O museu do erotismo, fica próximo ao Moulin Rouge, numa área cheia de sex shops. Lá se encontra filmes de época, esculturas, quadros e fotos de tudo relacionado ao erotismo. O endereço é: 72 Boulevard de Clichy 75018 Paris. Metro: Blanche ou Pigalle, é aberto diariamente das 10 às 2 horas da manhã. Mais informações:  www.musee-erotisme.com

Há vasos gregos, retratos antigos em preto e branco, fotos do Kama Sutra, velhos livros de pornografia japoneses, estatuas de deuses da fertilidade, parodias de padres e freiras, videos antigos de pornografia.

Sr. L, que possui lindas pinturas de mulheres feitas com giz de cera sobre a tela e sutis formas de erotismo.

Temos também Antoine Bernhart com pinturas escuras e sadicas, mostrando o pior lado da pornografia.

E por fim, Charlie Hebdo com charges engraçadissimas sobre os diferentes tipos de pênis no mundo e quadros do Tarzã erotico.

 

 

 

 Sites de Montmartre

http://www.montmartrenet.com

http://www.montmartre-paris-france.com/

http://www.montmartre-aux-artistes.org/

http://www.montmartrenet.com

http://www.terresdecrivains.com/Balades-dans-le-Montmartre-d-en

 

 

Read more...


Cartões de memória do governo da França são furtados em Paris

Cartões de memória do governo da França são furtados em Paris

21 de agosto de 2012 • 11h34

 

Cartões de memória com as plantas do Palácio do Eliseu (residência presidencial da França), do Ministério do Interior e do Departamento de Polícia do país foram furtados do carro de um empresário no domingo, em Paris, segundo informou o governo nesta terça-feira.

Os cartões de memória estavam entre os bens pessoais furtados do empresário, que deixou o carro estacionado enquanto ia buscar uma pessoa na estação de trem de Lyon, em Paris.

O Ministério do Interior ressaltou em comunicado que os cartões de memória “não têm informações que coloquem em risco a segurança” do país e dos edifícios governamentais.

Os investigadores acreditam que os ladrões não tinham a intenção de roubar os cartões de memória, cujos arquivos não estavam codificados. Uma investigação judicial foi aberta após a apresentação das denúncias.

O proprietário do automóvel trabalha para uma das companhias de fibra óptica encarregadas de instalar uma rede em vários edifícios do governo como parte de um plano de vídeo-vigilância na capital francesa.

O jornal “Le Parisien” disse que nos cartões de memória havia, junto a informações pessoais, estavam as plantas completas dos edifícios.

Uma fonte policial assegurou que essas plantas não dão informações relativas a nomes de quem ocupa os gabinetes e nem para o que as salas que aparecem nelas estão sendo usadas. .

Read more...


Concertos no Jardin de Luxembourg em Setembro

Setembro é o mês que alguns amigos vão estar em Paris,um mês de transição, final do verão e início do outono. Aproveitem bem esta meia estação no Jardin du Luxembourg e não se esqueçam que o Kiosque de música deste parque oferece concertos gratuitos.

Vejam  o programa abaixo:

DATE/  HEURE/ FORMATION/ GENRE MUSICAL
DIMANCHE 2 -14h30 à 16h00 DIXIE MEMORY JAZZ BAND /
FORMATION DE JAZZ NOUVELLE-ORLÉANS


DIMANCHE 2 16h30 à 18h30 PUISSANCE JAZZ BIG BAND/
GRAND ORCHESTRE DE JAZZ


VENDREDI 7 15h00 à 16h00 MUSIQUE DE LA POLICE NATIONALE /ORCHESTRE D’HARMONIE
SAMEDI 8 15h00 à 16h00 MUSIQUE DE LA POLICE NATIONALE/ ORCHESTRE BATTERIE FANFARE


DIMANCHE 9 10h00 à 12h00 HARMONIE MUNICIPALE DE MAISONS-ALFORT /MUSIQUES DE FILMS, VARIÉTÉS, FANFARE


DIMANCHE 9 15h00 à 17h00 BIG BANG JAZZIQUE SYSTEM/ JAZZ, SWING, BLUES, FUNK


VENDREDI 21 15h00 à 16h00 MUSIQUE DE LA POLICE NATIONALE /
BIG BAND
SAMEDI 22 15h00 à 16h30 ASSOCIATION MUSICALE DU VAL DE BIÈVRE /
ORCHESTRE D’HARMONIE


DIMANCHE 23 14h00 à 17h00 JMH ORCHESTRA/ JAZZ


SAMEDI 29 12h00 à 14h00 BB15 (Big Band du XVe) /FANFARE


SAMEDI 29 15h00 à 18h00 CFMR / ROCK, BLUES ROCK


DIMANCHE 30 12h00 à 13h00 UNION MUSICALE D’HAZEBROUCK /
HARMONIE, VARIÉTÉS ET MUSIQUES DE FILMS

DIMANCHE 30 15h00 à 17h30 L’AFREUBO /HARMONIE

 

 

Read more...

Flickr

RSS URL not defined

Entre em contato!

Tel. 55 11 9641 0432

Áreas atendidas – São Paulo, SP
_Higienópolis
_Pacaembú
_Perdizes
_Bela Vista
_Outras áreas: consulte!

Visite minhas redes sociais:

Scroll to top